Cigarro pode afetar outros aspectos do dia a dia

Tempo de leitura: 9 minutos

Que o cigarro faz mal à saúde, estamos todos carecas de saber! As substâncias presentes em sua composição trazem diversos males ao corpo humano: inflamações pulmonares como a DPOC; diversos tipos de cânceres, como de pulmão, garganta e boca; problemas cardiovasculares, como infarto agudo do miocárdio e elevação do colesterol LDL… A lista é imensa.

Mas você já reparou como o cigarro pode afetar outros aspectos do dia a dia? “Constatamos, por exemplo, que o prejuízo na respiração decorrente do cigarro atrapalha atividades físicas, como esportes e o sexo; com a proibição de fumar em locais fechados o fumante fica de fora de papos com os amigos quando sai para fumar; o cheiro do cigarro traz reclamações do companheiro; o exemplo que adultos fumantes dão para seus filhos…”, enumera a psicóloga Ana Carolina Schmidt de Oliveira, do Vida Mental Serviços Médicos e especialista em dependência química.

De acordo com a cardiologista Jaqueline Issa, coordenadora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP), muitas vezes as pessoas decidem parar de fumar apenas quando algo lhes causa um estalo. Por isso mesmo, listamos que outros setores da vida acabam sendo prejudicados pelo tabagismo. Que tal conferi-los antes de acender o próximo cigarro?

Finanças pessoais

Você pode não perceber, mas sua conta bancária é tão atacada lentamente pelo cigarro quanto seus pulmões. “Entre as classes C e D, o cigarro pode representar cerca de 20% do orçamento familiar de uma pessoa”, ressalta a cardiologista Jaqueline Issa, coordenadora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP).

Mas se você prefere colocar tudo na ponta do lápis, já fizemos isso para você. Uma pessoa que fuma um maço de cigarro ao dia gasta em média 165 reais por mês, o que resulta em 1980 reais por ano. Pedimos ao economista Samy Dana, Ph.D. em finanças da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, para calcular para nós qual seria o dinheiro resultante, se todo mês essa mesma quantia (165 reais) fosse aplicada em uma poupança, com juros a 0,45% ao mês.

Em um ano, a conta estaria com 2.033 reais, um lucro de 53 reais. Em longo prazo, o ganho financeiro se torna maior: a aplicação renderia 11.451 reais em 5 anos, e 26.739,41 em 10 anos, o equivalente a um carro popular novo. Isso tudo se assumirmos que o valor do maço não vai aumentar! “Todos os pequenos gastos acabam se convertendo em grandes valores quando somados em um longo período de tempo. Por isso, o ideal é escolher aqueles que são melhores para você e sua saúde”, comenta o especialista.

Vida profissional

Outra forma indireta do cigarro mexer com seu dinheiro está nos gastos profissionais. Uma pesquisa conduzida pelo grupo WED Consultoria, empresa que trabalha com programas de qualidade de vida, resolveu contabilizar o tempo que um fumante perde de trabalho. “Um funcionário que fuma gasta em média quatro vezes mais com assistência de saúde, além de ter 34 faltas a mais por motivos de saúde do que os outros. E se somarmos que ele tire ao menos dois intervalos de 10 minutos para fumar, no final das contas ele perde duas semanas de trabalho”, explica a enfermeira Evelen Spila, especializada em oncologia clínica e diretora da WED Consultoria.

Mas será que isso é levado em conta na hora da contratação? A especialista não sabe dizer, mas especula. ?Não acredito que isso seja um critério direto para tirar um funcionário de um processo seletivo, mas se você pegar os questionários iniciais, verá que muitas empresas perguntam isso. E então vai da politica interna de cada local”, comenta.

Cognição e concentração

Em um primeiro momento, o cigarro pode até parecer ajudar na concentração. “Pessoas com alguma disfunção na concentração do neurotransmissor acetilcolina, como aquelas que sofrem de TDAH, apresentam melhora nesse aspecto, pois a nicotina tem estrutura semelhante e também se relaciona bem a esse receptor”, pondera a cardiologista Jaqueline. Claro que isso não é motivo para continuar fumando, já que o mesmo efeito pode ser obtido com remédios. Até porque, isso de certa forma acaba transformando o tabagista em dependente em outros aspectos. “Basta observar um tabagista no trabalho, que precisa sair frequentemente para fumar ‘se não, não produz’, como eles mesmos dizem. Além disso, a ansiedade e a vontade de fumar dificultam ainda mais a capacidade em se manter focado em uma tarefa”, considera Ana Carolina Schmidt de Oliveira, do Vida Mental Serviços Médicos e especialista em dependência química.

O outro gume dessa faca, porém, é que fumantes acabam apresentando a doença de Alzheimer mais cedo. “A incidência é seis vezes maior nos fumantes, já que o cigarro favorece esse envelhecimento precoce do cérebro”, pondera Jaqueline. Um estudo feito em 2012 pela universidade King?s College London, na Inglaterra, demonstrou que fumantes com mais de 50 anos apresentam diversos declínios de memória.

Aparência física

O tabagismo é um grande causador de envelhecimento precoce do nosso corpo, o que afeta o funcionamento do nosso organismo como um todo. E isso se reflete inclusive na pele. “O cigarro libera diversas substâncias nocivas que aumentam a formação de radicais livres, o que ocasiona maior e mais precoce formação de rugas. Afeta ainda a microcirculação da derme piorando o aspecto da celulite e das olheiras. Acentua manchas na pele e causa seu espessamento, diminuindo o viço. Ocorre ainda a redução da formação de colágeno levando à flacidez”, enumera a dermatologista Camila Hofbauer, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). E tudo isso fica pior após a menopausa, quando a pele começa a perder seu vigor naturalmente.

Cabelos e unhas também são afetados. Camila ensina que a redução de microcirculação da pele também prejudica os fios, aumentando sua queda e a perda do brilho. Já o alcatrão e a nicotina são responsáveis pela coloração amarelo-acinzentada que fica nas unhas, pele das mãos, dentes e região em torno da boca dos fumantes.

Desempenho sexual

O cigarro também pode afetar a performance masculina na cama. Não e à toa que as propagandas do Ministério da Saúde contra o tabagismo apontam a impotência sexual como um dos males provocados pelo cigarro. Mas tudo tem uma explicação. Isso acontece porque o pênis é constituído dos chamados corpos cavernosos, estruturas esponjosas que recebem um fluxo maior de sangue na hora da excitação, o que causa a ereção. “Como fumar entope os vasos do corpo e com isso diminui o fluxo sanguíneo, isso interfere na libido e pode predispor um homem sedentário à disfunção erétil”, avalia o ginecologista e terapeuta sexual Amaury Mendes Jr., professor e médico do ambulatório de sexologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Mas a mulher fumante também pode ser prejudicada nesse aspecto da vida. “Existem menos trabalhos com mulheres do que com homens, mas o cigarro pode sim limitar sensibilidade, dependendo da idade e uma série de outros aspectos”, comenta o profissional. A menor oxigenação dos tecidos no períneo também pode prejudicar a lubrificação, tornando o ato sexual mais desconfortável.

Chances de ter filhos

E se apenas o sexo fosse afetado… Mas se você sonha em ter filhos, pense bem antes de sair fumando como uma chaminé, afinal isso pode tornar uma gravidez bem mais difícil. O problema, mais uma vez, se dá por conta da forma como o tabaco afeta o oxigênio distribuído pelo corpo através da circulação. “O cigarro tem monóxido de carbono, um gás que substitui o lugar do oxigênio nas células do sangue, o que diminuiu oxigenação de tecidos como um todo. As regiões que mais sentem falta são as mais vascularizadas, caso dos testículos e ovários”, ensina a cardiologista Jaqueline.

As consequências variam conforme o sexo. Nos homens, há uma redução na qualidade de seus espermatozoides, que podem ter má formações, dificuldades para se locomover e até mesmo serem produzidos em menor quantidade. O que diminui as taxas de fecundação. Já as mulheres podem antecipar a menopausa, ter problemas também na formação de seus óvulos ou mesmo na hora da implantação do embrião, já que o endométrio também fica danificado.

Relacionamentos

Em um mundo em que o ato de fumar é cada vez mais censurado, fica complicado achar alguém se você sai desse padrão. “Não é difícil imaginar que a relação entre uma pessoa que fuma e outra que não fuma não é muito fácil. Por isso as pessoas procuram por parceiros que não fumam, especialmente pelo cheiro e pelo hálito. Meus clientes dizem que o beijo já tem um gosto amargo”, conta o psicólogo Rafael Wagner, coaching amoroso da Agência Free Love, responsável por unir casais.

E por mais que o fumante não sinta o odor, as outras pessoas acabam se incomodando e até se preocupam com uma vida mais saudável do parceiro. Tanto que, em sua experiência, Wagner já percebeu que muitas vezes o tabagismo é colocado como um filtro das pessoas que procuram os serviços de sua agência. “Na ficha de cadastro, as pessoas colocam as características que gostariam em um parceiro, e não ser fumante é uma delas. A grande maioria procura e opta por parceiros não fumantes”, relata.

 

Fonte: Mais Vida via Nathalie Ayres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *