Especialista alerta: legalizar o uso da maconha cria mais uma “indústria do vício”

Tempo de leitura: 1 minuto

Kevin Sabet é um especialista que integrou a equipe de controle de drogas do governo de Barack Obama. Além da criação das “indústrias do vício”, ele acredita que legalizar a maconha não ajuda a acabar com o tráfico. Para ele, a politização do “tema da moda” mascara o impacto da droga na saúde pública, cujo consumo cresce entre adolescentes.

Em agosto deste ano Sabet esteve em São Paulo, onde apresentou a palestra “Impacto da legalização das drogas”, organizada pela SPDM – Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina.

Um dos casos analisados por Sabet é o do Colorado, que permite tanto o uso da “maconha medicinal” (desde 2001) como recreativa (a partir deste ano). No Estado, a venda da droga é proibida para menores de 21 anos. Mesmo assim, sete em cada dez adolescentes em tratamento contra dependência química admitiram ter usado maconha medicinal de outra pessoa – e, em média, isso ocorreu 50 vezes.

Ainda no Colorado, Sabet afirma que o número de jovens entre 12 e 17 anos que usaram maconha cresceu de 8,15% (em 2009) para 10,47% (em 2011), bem acima da média nacional, que é de 7,55%.

No caso de adultos no Estado, dobrou o número de motoristas que, sob o efeito de maconha, se envolveram em acidentes de carro com morte. O índice passou de 5% em 2009 para 10% em 2011.

Nos 19 Estados norte-americanos que permitem o uso de maconha em tratamentos médicos, Sabet diz que três em cada cinco estudantes do último ano do ensino médio conseguem drogas com “amigos”. Só 25% compram drogas de traficantes ou estranhos. A margem de erro não foi informada.

Nos vídeos abaixo, você poderá conferir a palestra de Sabet e também o debate promovido durante o evento “O Impacto da Legalização das Drogas”, organizado pela SPDM. Durante o painel, conduzido pelo psiquiatra e presidente da SPDM, Ronaldo Laranjeira, diversos debatedores fizeram perguntas para Kevin Sabet.

Palestra:

Debate:

 

Fonte: UOL e SPDM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *