O combate ao uso de drogas por crianças e adolescentes

Tempo de leitura: 3 minutos

A Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) lançou no dia 2 de julho deste ano uma campanha permanente de prevenção e combate ao álcool e às drogas na infância e adolescência. Batizada de “Julho Branco”, a campanha tem como slogan a frase Com consciência, sem drogas.

Um estudo piloto realizado no Hospital Universitário da USP, entre os pacientes, dá bem uma ideia da importância desta iniciativa: 43,5% são usuários do álcool; 34,5% fazem uso do tabaco; a maconha tem a preferência de 27,5%; enquanto o crack é a opção de 11,5% dos participantes dessa pesquisa.

Segundo Claudio Barsanti, presidente da SPSP, a campanha apoia-se em dois pilares: a apresentação e a discussão do tema com os diversos segmentos da sociedade, dada a relevância do assunto na atualidade e para as gerações futuras, além da adequada capacitação médica para a capacitação dos médicos na abordagem e na assistência indicadas.

“Quando nos aprofundamos nos números e na alta incidência, percebemos a gravidade do quadro; e como pouco se debate a respeito, o que é preocupante, não temos a proposição de medidas efetivas para o combate deste grande mal. Além disso, se o pediatra, assim como outros profissionais da saúde, estiver bem informado e atento a esta realidade, será possível diagnosticar e adotar condutas dirigidas para solucionar o problema, mais prontamente”, afirma Barsanti.

A SPSP compreende que o combate eficaz ao consumo de drogas (lícitas ou não) passa obrigatoriamente pelos consultórios dos especialistas. Com o preparo adequado do pediatra, será possível instituir o aconselhamento obrigatório – um tempo da consulta voltado à abordagem da questão -, favorecendo a intervenção preventiva e até curativa dos usuários das substâncias.

O pediatra João Paulo Lotufo, coordenador do Grupo de Trabalho de Combate ao Uso de Drogas por Crianças e Adolescentes da Sociedade de Pediatria de São Paulo, admite que o problema é grave e culpa a permissividade na educação pela atual situação. “A experimentação de drogas”, diz, “está sendo muito precoce, o que aumenta as chances de dependência”.

De acordo com o médico, o uso do álcool, assim como o de outras drogas, tem, muitas vezes, seu início dentro de casa, e não fora. Para piorar o quadro, as empresas de bebidas não têm qualquer escrúpulo em estimular o jovem a beber cada vez mais, por meio da propaganda, seja em que horário for.

Lotufo não tem dúvidas em afirmar que “o único fator que diminui a experimentação da droga e do álcool é a discussão do assunto em casa”.

Criador do projeto Dr. Bartô, cuja iniciativa busca exatamente a prevenção do uso de drogas lícitas e ilícitas entre jovens e seus familiares, Lotufo já desempenha ação semelhante no Hospital Universitário da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

“O pediatra pode e deve tratar do assunto; ele é o profissional da linha de frente que pode perceber a existência do problema. É fundamental o preparo, um plano de atendimento, uma pesquisa sobre a situação familiar, para então levantar uma discussão saudável e informativa”, ressalta o médico.

Abaixo, Lotufo participa do JC Debate, da TV Cultura, juntamente com Ednalva Cruz, psicanalista e psicóloga do Programa Antitabagismo do Hospital Universitário da USP. Eles falam sobre os riscos que o consumo de álcool e drogas trazem para saúde dos jovens e alerta sobre a importância de familiares não incentivarem essa prática. Confira:

 

Fonte: Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) e TV Cultura